quarta-feira, 17 de junho de 2009

G.R.A.M.C.S.

Eu, que lágrimas derramei,
que em noites me escondi,
que em muitas escorreguei.
Em longos sonhos debrucei
pensamentos e desejos por ti.
Percebi que momento nenhum
fui suficiente exemplo
pra trazer alegria
uma simples e vadia
risada de dentro
do seu templo.

De repente você me intima
e diz intimamente
que tem medo.
Ficando com receio
de contar segredos.
Pede olhares nos olhos
com as mãos atadas.
Você naquele instante
esqueceu de viver.
Fluindo pretéritos e futuros
tudo, menos gerúndios,
participando de cada
sentimento agarrado,
nos extremos
de uma vida.

Ouvi dizer
que o que se faz
não volta atrás.
Se tens receio,
não creio que farás.
Como diria o provérbio:
Há três coisas
que não olham pra trás,
mas que seguem em frente
e trazem o que
nem sempre nos satifaz.

4 comentários:

Anônimo disse...

;) honrada!
=~~

Jéssica disse...

Nem sempre mesmo o que chega satisfaz, e o que satisfez um dia pode voltar... mas, continuo na certeza, de que as coisas irão se encaixar em seu devido lugar, com tranquilidade no coração e o sentimento que lhes é peculiar.
Luv a, so much! Miss u! ;*

maira disse...

parabéns Graube!

adorei!
nao sei pq mas as vezes tem coisas que se encaixam em fases minhas! bem legal =**

Anônimo disse...

texto muito belo!