terça-feira, 18 de agosto de 2009

Embora nem sempre

Vou falar comigo mesmo.
Quem sabe assim
não jogo palavras a esmo.
Pode me chamar de prepotente,
mas quando se sentir impotente,
não coloque culpa no alheio.
Pense direito, no centro.
Sabendo que existem dois lados
e o caminho correto do meio.

Vejo tudo do lado de fora,
como o vento que traz a aurora.
Esqueço boa parte do que percebo,
embora saiba que nem sempre
prefiro pensar entre
os extremos que rondam
minhas horas.

8 comentários:

Thais disse...

Esse negocio de ficar falando sozinho eh coisa de doido...
:P
besta

Cld disse...

quando vejo alguem falando em apenas dois caminhos, entendo como dois pontos de maior distancia. Com muitos outros entre eles.
procuro me afastar dos extremos, mas em alguns aspectos é bem difícil.

ArCaNNeS disse...

Não se trata de estar sozinho, mas de ver as coisas por uma perspectiva muito individual, de entender e ler os caminhos por si e não por outros ;)~

Willian Lins disse...

seria isso um poema auto-descritivo?

embora nem sempre sejamos os mesmos certas vezes nos deparamos com 'nós' que são irreconhecíveis.

upside ;D disse...

Pediu,e aqui estou.
Gostei muito,não pude ler todos(são muitos,até não sejam tantos,sejam diferentes).
Comentei nesse pois é o mais recente,mas descordo em pontos.
Me identifiquei com "A importância das coisas",é bem a minha cara,é o tipo de coisa estigante e confusa o suficiente pra se pensar durante algum tempo.
Por fim,queria saber se tem influencia Cecíliana? Achei um pouco pareçido(isso é um elogio).

D.Rocha disse...

Que lindo isso... só acho uma pena a solidão ter tanta beleza.

Ricardo Calmon disse...

Falar com o teu profundo,cotidiano é,meu bom Bob,pois simplesmente poeta és!

VIVA A VIDA!

Gley disse...

*---------------------*
gamei nese blog *O*
adorei esse poema concerteza vou gostar de todos
ou quase todos hehe
PARABÉNS!
eu queria ler todos mas tenho
uma lista de blogs pra ler
eu prometo que volto amanhã ou mais tarde
pra ler outros...

bye