sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Do jeito que vem

Já não quero confirmar
que o que aconteceu
foi por simples destino.
Deste hino, já não comungo,
muito menos preciso de arrimo.
Sobre esta rima, nem resmungo
e dessa palavra nada inclino.
Sem destino nem coincidências,
as coisas simplesmente acontecem,
sem nenhuma razão de ser
ou com alguma decência.

2 comentários:

andressa disse...

Gostei muito desse, bob. na verdade, gosto de todos.

Paixão disse...

Não sei se esse poema surgiu de uma simples idéia, ou de algo que foi sentido.
Se faz sentido ou não, veio desse jeito, por acaso
e é o acaso que sempre sinto.

Parabéns!

Beijos.