sábado, 6 de setembro de 2008

Nosso castigo

Eu não queria dizer aquilo
Saiu da boca pra fora
Quando a lágrima caiu
Eu disse a verdade

Nas mãos atadas
Podia sentir o coração
De olhos fechados
Ao meu ouvido
Baixinho me disse:
Acabou

Agora meu caminho é cego
Piso em falhas
Corto-me em navalhas
Sem um estímulo pro ego

Mereço castigo
Mas não a morte lenta
Que me presenteaste
Mereço contigo
Morrermos juntos
Nessa amargura
Sem abrigo.

2 comentários:

tepy disse...

Garaubere, não conhecia esse teu lado. Mas taí, não é que eu gostei, rapá! :D

:*************

érika disse...

entaum... sei como é isso!!!

;)